Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Segredo revelado

Segredo revelado

21.08.19

''hellou''


segredo_revelado


 Hello pessoas!
Ou, como diz alguém, ''hellou'' .

Ultimamente tenho pensado bastante em como as pessoas são estranhas. Sou uma pessoa, sou estranho, então sei bem do que falo.
Até que ponto somos verdadeiramente importantes para alguém? Há pessoas insubstituíveis? Há pessoas inesquecíveis? 
Ando com uma sensação de que eu sou uma daquelas pessoas que facilmente se esquece, se deixa de sentir a falta. Pode ser paranóia minha? Pode, de facto pode.
Mas depois começo a pensar em algumas pessoas que sumiram da minha vida e já não me acho tão paranóico.

Tornou-se estranhamente fácil descartar pessoas e esquece-las. Reciclagem de amigos, sentimentos...
Certamente tenho pés de barro e telhados de vidro ao falar sobre este assunto, pois alguma vez também eu já terei deixado alguém cair no esquecimento, mas vou arriscar falar disto como se nunca o tivesse feito.
Custa-me, quase tanto como me dói, entender como se passa a ignorar alguém a quem se disse, não há muito tempo, para não se afastar, para não deixar os sentimentos, as boas vibes e bons momentos tornarem-se tão assustadoramente bons que levassem a um afastamento, por medo da ''vertigem'' em que se estava.

Em poucos meses, e são poucos mesmo, há quem mude muito rapidamente de opinião, de vontades que antes eram tão fortes e hoje parecem não existir.
Nessas coisas sou mais coerente, mais de ideias, vontades e sentimentos fixos, que não mudam tanto assim ao sabor de cada mudança de direcção do vento.
Demoro a dizer certas palavras que acho fortes, importantes demais. Palavras como ''sempre'', ''nunca'', ''amor'', ódio'' assustam-me pelo peso emotivo que carregam quando as dizemos a alguém, por isso não as digo de ânimo leve, como quem diz ''batata''.

Acho que fui uma moda, um vício de um momento. Todos sabemos como a moda é cíclica. Passou a moda, acabou o momento. Outras tendências de moda surgiram, esgotou-se o meu momento, o tempo disponível para mim.
Há situações muito irónicas na vida. Estou a pensar especificamente numa em que essa pessoa me disse que um dia eu acabaria por me afastar dela. Respondi-lhe, quase como se fosse uma virgem ofendida, que não o faria. E não fiz. Mas ela fez(-se) o favor de ser ela mesma a afastar-se.
E eu fico como no meio disto tudo? Sei lá eu!


Segredo revelado : Regresso, mais de 3 anos depois do ultimo post aqui publicado,  com um post deprimente mas que espelha bem o meu estado de (des)ânimo.







2 comentários

Comentar post